HOME PAGE - Máquina Lúdica
1702
home,page,page-id-1702,page-template-default,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

A MÁQUINA AMPLIA SENSAÇÕES, O LÚDICO REVELA EMOÇÕES

Trazendo na bagagem a experiência acumulada como diretor, montador e produtor de filmes de ficção, making of e documentários, foi ao incorporar o universo da educação audiovisual, que surgiu o conceito de Máquina Lúdica. Pensando na máquina como uma extensão dos sentidos e no lúdico como um dispositivo que liberta, diverte e revela emoções, resolvi dar um novo nome para a minha produtora, antes chamada Corte Seco.  Hoje, a investigação sobre linguagens e narrativas que desenvolvo como educador audiovisual caminha em paralelo ao meu ofício de cineasta – onde sigo sempre inventando novos projetos de diferentes formatos, seja para cinema, internet ou televisão.

Aqui nesse espaço você pode assistir FILMES do meu repertório e acompanhar os PROJETOS que estão em desenvolvimento, além de navegar por uma área especial, onde descrevo meu envolvimento com a EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL.

Produzir conteúdo com ferramentas eficientes e de baixo custo.

Edu Abad, cineasta e educador

Sou formado em Cinema pela Faculdade de Comunicação da FAAP e trabalho como diretor e montador desde 1995, quando dirigi meu primeiro curta-metragem “Coentro e Quiabo na Carne de Sol”. Minha trajetória profissional iniciou-se com o interesse por contar as histórias que aconteciam nos bastidores dos longas-metragens que tive a oportunidade de documentar: “Ação entre Amigos”, de Beto Brant, “Bicho de 7 Cabeças” e “Chega de Saudade”, de Laís Bodanzky, “Narradores de Javé”, de Eliane Caffé e “Carandiru”, de Hector Babenco. A representação da realidade e da subjetividade descobertas nos bastidores desses longas-metragens me impulsionou para a realização dos documentários “Escola Pública”, “Pixote in Memoriam”, “Sonata para Orquestra Mágica” e “Pirajuçara, Bacia do Concreto”, que exploram questões sociais importantes como educação, cultura, cidadania e meio ambiente. Fui montador dos seriados de TV “Heróis por um Dia”, de Fernando Groinstein e “Um Vj, um Ator, umas Mentiras” de Tuca Paoli e em parceria com André Finotti, do documentário “Filhos da Pista”, do diretor mexicano Leon Serment. Sou integrante do coletivo 100 Claquete, no qual dirigi e montei os curtas-metragens “Maria Júlia & Ricardinho” e “Nota Fiscal Paulista”.